segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

CARRO ELÉTRICO PODE ACABAR ANTES DE DOMINAR O MERCADO?

Um economista-chave da Chevron lança dúvidas sobre o mercado automotivo global se estará pra sempre livre de combustíveis fósseis. O economista sênior da Chevron Corp., Adam Karson, disse em uma conferência em Houston que, dada a vida média de um veículo, todo carro vendido hoje teria que ser com bateria elétrica para a indústria automotiva estar livre de combustíveis fósseis até 2035. Isso é em resposta a várias chamadas de governos de todo o mundo que pedem proibições em veículos a gasolina, como China, Reino Unido e França. Atualmente, apenas 1% dos veículos vendidos em todo o mundo são elétricos. – BLOOMBERG

Pergunto: Como será se a nova opção não for elétrico, e sim sem nem combustível, nem baterias e oferecer conversão?

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

OURO MOEDA DE VOLTA

A EQUIPE TRUMP SABERÁ O QUE FAZER
“O PREÇO DO OURO EXPLODIRÁ E O DÓLAR SERÁ ELIMINADO” 
ADVERTE O INVESTIDOR PETER SCHIFF - Posted by Thoth3126 on 08/12/2017
Peter Schiff (é um empresário judeu Khazar norte americano, investidor, autor, comentador financeiro e personalidade de rádio.) foi um dos poucos economistas que previu corretamente que aconteceria a crise financeira em 2008. Dez anos depois, ele vê emergir outra crise: uma crise que pode acabar final e totalmente com o mercado de ações e também acabar com o dólar norte americano, criando uma crise global inédita e sem precedentes.
OUTRAS - Cientista judeu alega que sua raça NÃO É semita e sim proveniente da Khazaria.
LEMBRAR IN THOTH - “Cabala” - Jerusalém como capital de Israel é declaração de guerra no Oriente médio; Din e Nibiru. Illuminati – Revelações de um membro no topo da Elite; O Lado NEGRO de Cupido: Interferência Hiperdimensional nas relações amorosas; Vampirização (obsessão) através do Sexo, manipulação de hospedeiras(os) Reptilianos.
ESTE ARTIGO
“O preço do ouro explodirá e o dólar será eliminado” – adverte o investidor (khazar) Peter Schiff - Fonte: https://www.rt.com/
“Eu previ muito mais do que apenas o mercado de ações indo para baixo naquela época. Previ a crise financeira, mas, o mais importante, também previ o que o governo faria como resultado da crise financeira e quais as consequências disso, porque é aí que nos dirigimos. A verdadeira (grande) crise sobre a qual escrevi no meu livro mais recente ainda está chegando “, disse Schiff em um artigo publicado pelo USAWatchdog.com de Greg Hunter e citado pela ZeroHedge. De acordo com Peter Schiff, o Fed dos Estados Unidos infla uma bolha gigantesca, que é impossível estourar, mas quando ela explodir, as consequências serão muito dolorosas para a economia global e serão muito maiores do que a crise de 2008.
 “Eu acho que essa bolha é muito grande para estourar. Eu acho que é a mãe de todas as bolhas, e quando ela explodir, não há uma maior que o Fed vai poder inflar para (novamente) mascarar esses problemas, o que significa que não podemos mais chutar a lata abaixo da estrada. Desta vez, a crise atingirá todos no seu bolso”, disse ele.
Ele comparou a dívida pública norte-americana de US$ 20 trilhões com um camelo carregado com palha.
Os governos dos principais países estão apenas tomando emprestado todo esse dinheiro para cobrir déficits orçamentários de curto prazo ou para financiar projetos de infraestrutura crítica. No entanto, como Jeff Desjardins, do Visual Capitalist, observa, em todo o mundo, os países levaram a ideia de manter déficits constantes como o curso normal dos seus negócios, e muita acumulação de dívida não é saudável para os países ou para a economia global como um todo.
 “Quantas paletas você pode colocar nas costas de um camelo? Você não sabe até que você coloque essa paleta final que seja demais e quebre suas costas. Então, podemos pagar US$ 25 trilhões em dívidas? Talvez. Em algum momento, nós vamos quebrar as costas do camelo com toda essa dívida. Então, iremos descobrir o quanto de dívidas podemos acumular, e não vai ser bonito”, disse Schiff.
“Todo mundo vai perder. Todo mundo vai acabar, com quem está fazendo festa no mercado de ações, no mercado de títulos e no mercado imobiliário. O dólar vai sumir, e o poder de compra será eliminado”.

Lei Marcial nos EUA em breve? Uma fonte da CIA na Ásia que tem conexões com os judeus khazares Rothschild, teve o seguinte comentário a fazer quando perguntado sobre a guerra financeira em curso:
“Um dos meus contatos que eu conheci sobre esse tipo de assuntos me falou que o plano mestre deles é colapsar o sistema completa e globalmente até o terceiro trimestre de 2018″.

Schiff diz que o sistema financeiro atual também não conseguiu reduzir artificialmente os preços dos metais preciosos. “Eles não podem continuar fazendo isso, e isso vai acabar. É como a quantidade de dívidas que podemos assumir. Não é uma quantidade ilimitada. Nós saberemos quando chegarmos lá. Quanto tempo eles podem manter o preço do ouro suprimido? Em algum momento, o preço do ouro vai explodir porque existe uma compra física real, e toda a venda de papel não pode camuflar isso”, disse o investidor.
De acordo com Schiff, o ouro é a verdadeira alternativa ao dinheiro PAPEL, e as pessoas estão começando a duvidar de que podem realmente confiar nos bancos centrais em seus países.
“As pessoas não confiam em moedas PAPEL… Mais e mais pessoas estão procurando alternativas e a alternativa real é o metal ouro. Quando o abraçam, vai superar a capacidade dos bancos centrais de suprimir o seu preço. Entretanto, aproveite o presente que eles estão dando atualmente”, disse ele.
LEMBRAR: Por que Rússia está comprando OURO a ritmo recorde? China e Rússia abandonam o dólar em suas transações comerciais; A Verdade sobre os “Grandes Bancos” ocidentais; BARRAS de OURO FALSAS em Fort Knox!

COMENTARIO FINAL – Aviso ao GEA: Os Bancos serão excluídos do giro econômico de moeda. E em vez de emitir moeda em ouro, emitirão certificados ao portador para giro com garantia do ouro guardado em seus cofres e se quiserem emitir mais papéis, recolherão o peso em ouro antes de emitir, ou na troca com quem o pedir. Gramas de ouro será valor universal. Os certificados de ouro deverão ser padronizados e dar direito de receber em metal.


quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

EQUIPE TRUMP APOIARIA BOLSONARO COM PAULO GUEDES?

AS IDEIAS DO ECONOMISTA PAULO GUEDES EM 35 ‘PÉROLAS’

PREVIAMENTE – Ele acredita que eleições podem mudar o Brasil, mas não diz o que é preciso para que isso aconteça Fala que não há esquerda e direita, mas parece não ter entendido o que são as Máfias associadas que dirigem o mundo da riqueza dividindo os otários em vira-latas que se mordem. Estudou nos Estados Unidos e não conhece o que é o SONHO AMERICANO. Afirma diversas vezes que é preciso fazer uma Reforma Fiscal e uma reestruturação do Estado, com Reforma da Previdência, mas não tem noção do que seriam essas reformas, nem deseja que saiam já que pensa em serem feitas por uma Constituinte. O programa viável que teria que apresentar - Tanto os Impostos precisam ser extintos, quanto a Previdência Oficial e o Serviço Público devem ser Terceirizados. Sem isso vai ser um bordel que muda o nome dos leões de chácara mas a putaria é a mesma com o mesmo dono.
SE ELE ENTENDER QUE O FIM DO ESCRAVAGISMO DE ESTADO DIRIGIDO PELAS MÁFIAS, E PORTANTO A EXTINÇÃO DAS MÁFIAS É A ÚNICA LIBERTAÇÃO, AÍ É POSSÍVEL QUE SEJA RESOLVIDO O PROBLEMA DO BRASIL E DA HUMANIDADE.

COM ESSE PERFIL ROTHSCHILD DUVIDO QUE FAÇA ALGO

Confira uma seleção de frases 'matadoras' do liberal que poderá ser o ministro da Fazenda de Jair Bolsonaro, provável candidato à presidência em 2018, caso ele vença a eleição
BLOG José Fucs - 29 Novembro 2017 | 20h22
A afirmação do deputado Jair Bolsonaro, provável candidato à presidência em 2018, de que Paulo Guedes poderá ser seu ministro da Fazenda se ele vencer as eleições de 2018, colocou o economista sob os holofotes.
Presidente do conselho de administração e estrategista da Bozano Investimentos, do empresário Júlio Bozano, com Ph.D. na Universidade de Chicago, Guedes é um dos mais aguerridos defensores do liberalismo no País e um dos maiores críticos dos governos socialdemocratas do PSDB, do PT e do PMDB, que comandaram o Brasil desde a redemocratização, em meados dos anos 1980.

Para conhecer melhor suas ideias, confira a seguir 35 frases de Guedes, selecionadas de entrevistas que realizei com ele e de artigos que ele escreveu nos últimos anos.

1. “A morte da velha política em 2017, sob a guilhotina da Lava-Jato, é o nosso mais importante episódio de aperfeiçoamento institucional desde a redemocratização e a convocação da Assembleia Constituinte.”
2. “A morte da Velha Política agora em 2017 marca o fim de uma era, e as campanhas eleitorais em 2018 serão o anúncio do nascimento da Nova Política.”

3. “A Nova República morreu, porque manteve o Antigo Regime. Não fez a reforma da estrutura de Estado brasileiro.”
4. “O aperfeiçoamento das instituições de uma democracia emergente é hoje mais importante do que as obsoletas disputas ideológicas entre ‘esquerda’ e ‘direita’, conservadores e progressistas, liberais e socialistas.”
5. “A grande sociedade aberta está além da direita e da esquerda. Quem estiver preocupado com isso ainda está saindo da Revolução Francesa no século XVIII. Aliás, esquerda naquela época eram os liberais. Se eu vivesse naquela época, estaria lá, com o Tocqueville, lutando contra a Velha Ordem.”

6. “Mesmo candidatos do “centro” cujas biografias resistam às investigações terão poucas chances de derrotar nas urnas os ‘outsiders’ de um degenerado sistema político”.
7. “Se as candidaturas à “esquerda” e à “direita” têm limites naturais de representatividade, e portanto de crescimento, e a maioria dos eleitores de centro será disputada com vantagem por “outsiders” diante dos candidatos convencionais, torna-se bastante provável a vitória eleitoral desses “outsiders” em 2018, não apenas para a Presidência da República, mas também para governadores e para uma avassaladora renovação parlamentar, como ‘nunca antes na História deste país.’”

8. “Os corruptos destroem muito mais do que escolas, hospitais e outros serviços essenciais não prestados pelos recursos que desviaram. Destroem também a crença da população nas instituições das modernas democracias liberais.”
9. “A classe política não representa mais o povo, e sim seus próprios interesses. E os empresários não criam mais riqueza, apenas dela se apropriam em negociatas com o poder político.”
10. “O político que enriqueceu na vida pública e o empresário que tem muito poder político são aberrações de um capitalismo de Estado que degenerou para um capitalismo de quadrilha.”

11. “Não me sensibiliza dizer que a Lava Jato destruiu 300 mil empregos no Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro). Eu pago dois anos de crise para ter um país decente.”

12. “A concentração de poder político e recursos financeiros no governo federal explica muito de nossa degeneração sistêmica”
13. “A ‘direita’ brasileira afundou com a redemocratização por estar associada ao autoritarismo político e à insensibilidade social do regime militar. A ‘esquerda’ brasileira afunda agora com a morte da velha política por estar associada à roubalheira, ao colapso do crescimento econômico e à insegurança nas ruas de uma decrépita Nova República.”

14. “O baixo crescimento e a corrupção sistêmica marcaram a transição do capitalismo de Estado do regime militar para um capitalismo de quadrilhas sob a obsoleta e despreparada social-democracia”
15. “O PT, o PMDB e o PSDB são partidos socialdemocratas que dirigem há mais de três décadas a política e a economia brasileiras, desde o nascimento da Nova República, em 1985, aos dias de hoje, em que se anuncia a morte da Velha Política. Devem explicar a degeneração de nossas práticas políticas e o medíocre desempenho econômico no período.”
16. “Os partidos socialdemocratas, que desde a redemocratização moldaram a Velha Política, estão feridos de morte pela corrupção, pelo baixo crescimento e pela insegurança nas ruas. O PMDB, o PSDB e o PT se revezaram no desfrute de um disfuncional aparelho de Estado com o mesmo apetite pelo poder, a mesma inapetência por reformas e a desfaçatez dos papas renascentistas.”
17. “O coração do problema do Brasil está no gasto público. Só que não existe capacidade de formulação suficiente no governo para tornar isso politicamente interessante, economicamente potente.”
18. “A Dilma foi um dos mais importantes fatores de destruição do tripé macroeconômico, baseado no câmbio livre e nas metas de inflação e fiscal. Ela participou do início, do meio e do fim do crime do desequilíbrio fiscal.”

19. “O programa de uma campanha presidencial para as eleições de 2018 terá de enfrentar os temas que descredenciaram candidatos e partidos da Velha Política. O enigma que devorou a classe política e degenerou a democracia emergente é que o governo gasta muito e gasta mal.”

20. “O caminho para a recuperação da dinâmica de crescimento econômico e a regeneração da classe política passa pelo aperfeiçoamento das instituições republicanas e pelo aprofundamento das reformas.”

21. “Políticas econômicas ineptas, como os esforços de estabilização sem a mudança do regime fiscal, derrubaram o crescimento do país, enquanto alianças políticas espúrias pela ocupação de um obsoleto aparelho de Estado promoviam a roubalheira sistêmica. Precisamos agora superar a farsa política das repetidas disputas entre correntes da mesma socialdemocracia.”

22. “Em 30 anos, a socialdemocracia, hegemônica, dominante politicamente desde meados dos anos 1980, não conseguiu fazer o que tinha de ser feito. A esquerda não tem coragem de enfrentar corretamente, tecnicamente, o problema. O que eles sabem fazer? Aumentar gastos até serem chamados à realidade.”

23. “Um erro fundamental da socialdemocracia em suas mais de três décadas governando o país foi a ininterrupta expansão dos gastos públicos sob todas as formas, dos meritórios programas sociais de transferência de renda inerentes a uma democracia emergente aos reprováveis subsídios a grandes empresas agora configurados como práticas de um capitalismo de quadrilhas.”
24. “Essa incapacidade de controlar gastos e de promover reformas trouxe como subproduto uma tragédia de dimensões épicas: os esforços de estabilização sem apoio da política fiscal elevaram as taxas de juros por décadas, causando um endividamento interno em bola de neve.”

25. “Acelerar as reformas, particularmente a do Estado, é o caminho para asfixiar a corrupção e recuperar nossa dinâmica de crescimento.”
26. “Se eu tivesse que fazer uma única mudança seria a reforma da Previdência, porque o déficit sobe de R$ 50 bilhões para R$ 80 bilhões num ano, para R$ 130 bilhões no outro, é uma bola de neve que vai explodir o Brasil inteiro.”

27. “Além de melhorar a qualidade de suas políticas públicas, o País precisa fazer uma reforma fiscal e previdenciária. Temos que baixar impostos e principalmente, descentralizar os recursos para Estados e municípios.”
28. “O Brasil é o paraíso dos rentistas e dos empresários escolhidos e o inferno dos trabalhadores, dos empreendedores e dos empresários que acreditam numa economia de mercado. É uma associação entre criaturas do pântano político e de piratas privados.”

29. “Prefiro 30 milhões de empregos porque baixaram os encargos trabalhistas do que ganhar alguns empregos porque meia dúzia de empreiteiras estava corrompendo o governo. Isso não é nem capitalismo de Estado, que é quando as práticas morais são sérias, é capitalismo de quadrilha.”
30. “Na selva do dirigismo de quadrilhas, evoluem há décadas as criaturas do pântano — os piratas privados, os servidores públicos desonestos e os políticos corruptos.”

31. “Depois de 40 anos de expansão de gasto público, não posso dizer que o teto de gasto público não é algo excelente. Ter um teto de gastos para os próximos vinte anos é excepcional. É a primeira vez que alguém fala em corte de gastos desde o Tancredo.”
32. “As forças da modernização, que se organizam em torno de novos eixos, exigem do Estado o cumprimento de suas funções clássicas de segurança e Justiça, assim como uma eficiente execução de suas modernas atribuições na construção de redes de proteção social, focalizadas nos pobres e operadas de forma descentralizada por Estados e municípios. A democracia emergente precisa de mais recursos para prefeitos e governadores, e menos de dez ministros em Brasília.”

33. “As classes médias das economias ocidentais tiveram seus ganhos salariais travados ao longo das últimas décadas pelo mergulho de bilhões de eurasianos que escaparam da miséria socialista nos mercados globais de trabalho.”
34. “A prosperidade dos trabalhadores depende do aumento de sua produtividade, o que exige permanente acumulação de capital e incessantes investimentos em educação.”
35. “A educação é libertadora e transforma vidas… É o maior fator de criação de riqueza.”

POR LARA RIZÉRIO  04 DEZ, 2017 09H41
Cotado para ser ministro da Fazenda de Bolsonaro, Guedes destaca em artigo agenda-chave para 2018
Segundo o economista, uma agenda liberal-democrata é agora a chave para a regeneração da classe política e a retomada do crescimento
SÃO PAULO - Cotado por Jair Bolsonaro na semana passada para assumir o ministério da Fazenda caso o deputado seja eleito presidente, o economista Paulo Guedes deu mais sinais sobre a sua visão econômica em seu artigo desta semana para o jornal O Globo. 
De acordo com ele, o descredenciamento de partidos e lideranças de um establishment socialdemocrata perante a opinião pública abriu um vácuo ao centro do espectro partidário para a ascensão de uma nova classe política capaz de abraçar essa agenda.
"A governabilidade viria pela coalizão em torno de um programa liberal-democrata, pela primeira vez desde a redemocratização, para conduzir a necessária agenda de modernização evitada ao longo de mais de três décadas por espúrias alianças de obsoletos socialdemocratas com oportunistas conservadores", apontou o economista. 
De acordo com ele, "como os trinta anos de expansão ininterrupta de gastos públicos sob a socialdemocracia nos levaram à corrupção na política e à estagnação na economia, um programa liberal-democrata é o caminho para regenerar a democracia, restabelecer a governabilidade, fortalecer a Federação e recuperar nossa dinâmica de crescimento. Sem toma-lá-dá-cá num ministério enxuto em Brasília, e com mais dinheiro para segurança, saúde e educação nos municípios, onde o povo está". Guedes aponta que essa rota da prosperidade já foi trilhada por muitos países em épocas diversas.
Guedes é um dos fundadores do Instituto Millenium, um think tank brasileiro referência no pensamento econômico liberal com sede no Rio de Janeiro, um dos quadro fundadores do Banco Pactual e também é fundador e sócio majoritário do grupo BR Investimentos, hoje parte da Bozano Investimentos – companhia que investe em ações privadas (private equity). Economista com Ph.D em economia pela Universidade de Chicago, considerada uma referência do pensamento econômico liberal, Guedes também já foi integrante do conselho de administração de diversas companhias. Dentre elas, PDG Realty (PDGR3), Localiza (RENT3) e Anima Educação (ANIM3).
Antes de ser relacionado a Bolsonaro, o economista foi um dos responsáveis por promover a "quase candidatura" do apresentador de TV Luciano Huck.
Já na semana passada, ao ser apontado como provável ministro da Fazenda de Bolsonaro, Guedes afirmou que tem conversado com o deputado, mas não confirmou se integraria o governo. “Quer saber se a ordem se encontrou com o progresso? O que Bolsonaro informou é exato. Conversamos duas vezes”.
No domingo, matéria do jornal O Estado de S. Paulo destacou que há algumas dúvidas sobre se Guedes: se o noivado hétero”, como afirmou Bolsonaro ao apontar o nome do economista na Fazenda, "vai virar casamento". 
"Alguns analistas, como o economista Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central e hoje responsável pela fundação do Partido Novo, dizem que Guedes 'conversa com todo mundo' e que os contatos com Bolsonaro darão em nada. Para reforçar sua percepção, Franco lembra o que aconteceu em 2015, quando Guedes foi convidado para um jantar no Palácio da Alvorada com a ex-presidente Dilma Rousseff, que queria sondá-lo para substituir o então ministro da Fazenda Joaquim Levy. As negociações, como se sabe, não evoluíram e ele nunca ocupou o cargo", aponta a publicação. Mas, com certeza, o aceno ao mercado de Bolsonaro ganhou impulso com a novidade. 

FINALMENTE – Se ele vier a ser Ministro da Fazenda tudo nos diz que fará MAIS DO MESMO. Eu gostaria de ajudar.