quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

TERRA - ÚNICO PLANETA COM "VIDA" (COMO A NOSSA?)



China irá desabrigar 9 mil pessoas para achar alienígenas. Isso é para construir o maior radiotelescópio da China.
Parte superior do formulário
Comentários
Descrição: Mário Sanchez

Após ler o comentário, leiam abaixo o artigo de HypeScience sobre a tese de que a Terra é o único planeta habitado, pelo menos por seres”humanos” (feitos do húmus da terra, né?)

Mário Sanchez comentando - Há uns 2 bilhões de anos os alienis deslocaram um pedaço do Planetão entre Marte e Júpiter que eles haviam explodido para obter ouro pela explosão... E assim surgiu a Terra!

Esfriaram com despejo de água que mandavam com naves cometas revestidos de água super sólida que derretia ao aproximar-se do Sol e causavam dilúvios imensos.

Lá pelos 800 milhões de anos já haviam colocado algas e seres das águas. Mais uns seiscentos milhões de anos e já havia répteis e aves. E as aves do céu voavam acima de um território firme acima dos polos que eram suas bases hiperbóreas. E foram criando os hominídeos. Um dia estavam eles mesmos, alienis, colhendo o ouro nas minas e um dos alienis imortais foi encarregado de fazer um escravo primitivo para fazer os serviços de minerar.

Após muitas mutações fizeram no barro da Terra um primeiro homo habilis que podia cultivar cereais e frutas além de operar as ferramentas de minerar ouro e que tinha a mesma semelhança e alma dos alienis. E assim entraram em lutas canibais entre homens e imortais.

Após uma guerra terrível, super-atômica, os alienis mudaram para essa terra hiperboreal que ficou perdida como Brumas de Salém ou Avalon e fizeram uma mutação capaz de usar a oração para invocar e louvar o seu Senhor (senhor de escravos, né?) e esse louvador (yudahita) nasceu em um dia qualquer de 3.761 anos antes de nascer um Mestre para ensinar a Verdade para termos a libertação se fizéssemos nossa consciência subir até o grau deles. Somos todos judaítas.  

Essa é a Era Mundana ou Judaica que estamos vivendo. Isso vai até o dia em que os escravos tiverem completado a remessa do ouro que é do Senhor YHWH (Leiam em Ageu 2). Os Banqueiros impiedosos continuam dando ordens aos Levys e Barbusas para extrair mais ouro que nenhum deles está autorizado a gastar, mas GASTAM!...

Essa ópera buffa já tem as Revelações escritas há mais de 2 mil anos e um dia acaba.
Aí vamos descobrir que alienis somos nós também! Estamos assim loucos para fazer nossa geringonça de voar ao espaço!

E ainda alguém se ocupa em buscar alienis lá fora?
Conheça ao espelho os alienis que estamos por aqui e depois vá ver pelo telescópio ou pela lupa se há outros por aí.

Somos todos ficções ou lendas pessoais em eterna mutação e iludidos de que somos algo.
Construímos nossa fantasia com pedaços de coisas que amarramos ao nosso redor.
E as ondas de vibrações que ressoam ao nosso redor, um dia nos desmancham.

Mais tempo ainda e seremos capazes de viver quanto tempo quisermos.
E saberemos que não precisamos nem de telescópios, nem de Senhores de escravos, e nem mesmo de ficar presos ao buraco negro Terra, do qual Dante Alighieri comentou que está escrito na porta "os que aqui entram que percam as esperanças". Micróbios, fantasmas, vírus, ratos roedores de comidas e de reputações se encarregam de desfazer esperanças... 

Será que assim contado fica muito difícil de entender?

AGORA VEJAMOS OUTRA TESE
E concordemos – pelo menos deve ser o único Planeta habitado por seres feitos do húmus da terra, né?

TERRA É ÚNICO PLANETA HABITÁVEL ENTRE 700 QUINTILHÕES DE PLANETAS: 

ESTUDO Publicado em 24.02.2016    em HypeScience

TERRA É UNICA
De acordo com o astrofísico Erik Zackrisson, da Universidade de Uppsala, na Suécia, existem cerca de 700 quintilhões de planetas no universo, mas apenas um é especial – a Terra.
O cientista chegou a este número impressionante – um 7 seguido por 20 zeros – com a ajuda de um modelo de computador que simulou a evolução do universo após o Big Bang. O modelo foi criado usando informações sobre exoplanetas conhecidos e a nossa compreensão atual do início do universo e das leis da física.

O que Zackrisson descobriu não é uma hipótese nova: a Terra parece ter sido um acaso, um golpe de (muita) sorte.
Isso pode explicar, por exemplo, porque ainda não encontramos vida em nenhum outro lugar do universo. Em uma galáxia como a Via Láctea, a maioria dos planetas gerados no modelo de Zackrisson eram muito diferentes da Terra – maiores, mais velhos e muito improváveis de suportar vida.
Cadê os aliens? Será que é hora de aceitar que estamos sozinhos no universo?
O estudo está sendo analisado para ser publicado na revista científica The Astrophysical Journal.
Deve haver várias Terras por aí?

O trabalho de Zackrisson sugere uma alternativa para a suposição comum de que planetas semelhantes à Terra devem existir, com base no grande número de planetas do universo.
As estimativas atuais creem que cerca de 100 bilhões de galáxias existem no universo, contendo cerca de 10^18 estrelas, ou um bilhão de trilhões de estrelas.
Um dos requisitos mais fundamentais para um planeta sustentar a vida é orbitar a zona “habitável” de uma estrela, na qual a temperatura permite que a água líquida exista, entre outras coisas.
Até agora, os astrônomos descobriram cerca de 30 exoplanetas nas zonas habitáveis de estrelas. Extrapolando esse valor com base no número conhecido de estrelas do universo, deve haver cerca de 50 bilhões de tais planetas somente na Via Láctea. Será?
Estamos sozinhos na Via Láctea?
Só que não!

De acordo com Zackrisson, a maioria dos planetas do universo não é parecido com a Terra. Seu modelo indica que a existência do nosso planeta é uma anomalia estatística na multiplicidade dos planetas.
A maioria dos mundos previstos por seu modelo existe em galáxias maiores do que a Via Láctea e orbita estrelas com diferentes composições – um fator importante na determinação de características de um planeta. Sua pesquisa indica que, do ponto de vista puramente estatístico, a Terra talvez não deveria existir.
Mais dados são necessários

No entanto, o estudo possui falhas. O modelo é baseado na nossa compreensão atual do universo. Se há uma coisa que ninguém discorda é que nós ainda não sabemos muita coisa.

6 evidências de que estamos mais próximos de encontrar aliens do que pensamos
Logo, o modelo gera exoplanetas com base apenas no que já descobrimos, uma amostra extremamente pequena que provavelmente não é representativa de todos os planetas que existem.
“Há uma série de incertezas em um cálculo como este. Nosso conhecimento de todas as peças é imperfeito”, disse um dos coautores do estudo, Andrew Benson, ao site Scientific American.


No entanto, os pesquisadores estão confiantes nas implicações mais amplas do seu modelo: a Terra não é um planeta comum e não deve ter muitos gêmeos perdidos pelo universo. [DiscoverMag]

NOSSO COMENTÁRIO
Com essa tese, fica muito mais fácil entender a HypeScience dos tabletes de cerâmica em caracteres cuneiformes da Suméria, que dizem como foi feita a Terra e para que fim.

2 comentários:

Gustavo Aroni Drive disse...

Boa noite. Por que a Martina parou de escrever novos textos no blog dela?

Mário Sanchez disse...

Ela faleceu de repente no dia seguinte ao último artigo postado.